sábado, 16 de julho de 2011

LINHA DE PARTIDA

Hoje me levantei inspirado e como na música de Caetano, ´E eu corri pra o violão num lamento, e a manhã nasceu azul´; a manhã nasceu azul, mas não peguei um violão, apenas resgatei esse poema que a mim diz muito, e a poesia sim, essa saiu num lamento, espero que gostem:

LINHA DE PARTIDA

Corre agora dentro de nós dois

um desejo selvagem

por carne, saliva e suor.


Agora é a hora;

O momento de cometer pequenos delitos,

algumas faltas graves,

grafitar os muros da cidade.

Deixar a temperatura subir pouco a pouco...

Liberar os gemidos, sussurros e gritos roucos!


Este é o momento de esquecer o que é errado!

Se o pecado mora ao lado.

Deixar rolarem os dados.


Corre agora dentro de nossas veias

a urgente necessidade

da aranha tecer sua teia,

do sexo sem limites,

de se inebriar do desejo

que goteja das nossas genitálias desnudas

e você aceitar que eu te amo!

*Ideia concebida em 13/07/1993.

* As usual, este poema é dedicado a minha N., minha musa, minha amada, minha linha de partida para uma nova vida.

2 comentários:

  1. Lindo poema, adorei seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Poeta de palavras apimentadas. Isso sim é o que você é!

    ResponderExcluir